Ordem dos Cartuxos



Estatutos

Livro 5

Capítulo 36


Ritos da vida cartusiana « »

O que ingressa na família cartusiana, depois de uma primeira provação é recebido como noviço: pondo suas mãos entre as do Prior expressa sua sujeição e é sócio à Ordem; se o conduz por todos à cela ou, se é um noviço irmão, à igreja, para dar-lhe a entender que sua vida está principalmente consagrada à oração.

A Profissão, e também a sua maneira a Doação, consumam-se ao pronunciar a fórmula de Profissão ou Doação, já que é um compromisso pessoal e livre. Antes de emitir os primeiros votos, ao que vai professar se lhe veste a cogula própria dos professos, pela que se significa a conversão de costumes e a consagração a Deus; antes do ato irrevogável da Profissão solene, pede com particular interesse a ajuda da oração a seus irmãos.

Recepção de um noviço do claustro

O postulante, ao fim de seu provação, é apresentado num determinado dia à Comunidade. Adiante desta, se lhe pergunta antes de mais nada se professou em algum Instituto religioso, se está livre do vínculo matrimonial, se padece alguma doença incurável, se pode ser promovido às sagradas Ordens, se carece de dívidas; advertindo-se que se ocultasse algo a respeito do que se lhe pergunta, poderá ser expulsado ainda depois da Profissão.

Outro dia, reunidos todos no Capítulo, o postulante pede misericórdia prostrada. Depois, a uma indicação do Prior, levanta-se e diz: Suplico por amor de Deus ser admitido à provação em hábito monacal, como o mais humilde servidor de todos se a ti, Padre, e à Comunidade vos parecer bem.

Então o Prior lhe expõe o gênero de vida que deseja abraçar.

Se a tudo isso respondesse que, confiando unicamente na misericórdia de Deus e nas orações de seus irmãos, tudo cumprirá com a ajuda da clemência divina, o Prior adverte-o que antes da Profissão poderá ir-se livremente, e que nós também o poderemos despedir com toda liberdade se, considerando o caso ante Deus, não nos parecesse idôneo para nossa vida. Se o postulante dá sua conformidade, ajoelha-se aos pés do Prior, juntas suas mãos entre as do Prior, e este, em nome de Deus e da Ordem, no seu próprio e no de seus irmãos, associa-o à Ordem. A seguir, o noviço recebe o ósculo de paz, primeiro do Prior, e depois, de todos os demais.

O mesmo dia, se é possível, ao noviço, vestido em privado, se o conduz à igreja, e, prostrado, ora na arquibancada do presbitério. O Prior, revestido de cogula eclesiástica e estola branca, coloca-se na última cadeira do coro direito. Os monges, de joelhos, coro contra coro, cantam o versículo Veni, Sancte Spiritus. Uma vez findo, inclinados todos sobre as misericórdias, o Prior diz um versículo e adiciona uma oração.

Depois, o noviço é conduzido por todos à cela, talheres, cantando os salmos 83 (¡Que desejáveis...), 131 (Senhor, tem-lhe em conta...) e 50 (Misericórdia...). Se bastam um ou dois, não se dizem mais. Vai primeiro o Prior, segue o noviço, depois o Procurador ou outro levando a água bendita e, finalmente, a Comunidade por ordem de antigüidade. Ao chegar o Prior à porta da cela, asperge ao noviço e à cela mesma, dizendo: Paz a esta casa, e, tomando ao noviço pela mão, fá-lo entrar ao oratório, onde este ora ajoelhado. Terminado o salmo ou os salmos pela Comunidade seguem as preces indicadas no Ritual.

Uma vez concluídas as preces, o Prior impõe ao noviço a obrigação de guardar a cela e todas as demais observâncias e exercícios próprios de nossa Ordem, a fim de que em solidão e silêncio, e em assídua oração e generosa penitência, consagre-se a só Deus. E o encomenda ao Maestro de noviços.

Recepção de um noviço irmão

O postulante, ao final de seu provação, é apresentado num determinado dia à Comunidade. Antes de mais nada se lhe pergunta adiante dela se professou em algum Instituto religioso, se está livre do vínculo matrimonial, sem padece alguma doença incurável, se carece de dívidas; advertindo-se que se ocultasse algo a respeito do que se lhe pergunta, poderá ser expulsado ainda depois da Profissão.

O dia da recepção o postulante, prostrado no Capítulo adiante de toda a Comunidade, pede misericórdia. A uma indicação do Prior, revestido de cogula eclesiástica e estola branca, levanta-se e suplica por amor de Deus ser admitido à provação em hábito monacal como o mais humilde servidor de todos. O Prior, pronunciada uma exortação, adverte-lhe que durante o noviciado poderá ir-se livremente, e que também nós o poderemos despedir se, considerado o caso ante Deus, não nos parecesse idôneo para nossa vida. O postulante, depois de dar seu consentimento, ajoelhando-se aos pés do Prior, junta as mãos entre as mãos do Prior; este, em nome de Deus e da Ordem, no seu próprio e no de seus irmãos, associa-o à Ordem. Então se lhe veste a cogula de noviço e a capa, e é recebido com o ósculo de paz, primeiro pelo Prior e a seguir por todos os demais.

Ato seguido, o noviço é conduzido do Capítulo à igreja, cantando a Comunidade o salmo 83 (¡Que desejáveis...). Vai diante o Prior, segue o noviço, depois os padres e irmãos, por ordem de antigüidade. Ao chegar o Prior à igreja, tomada ao noviço da mão e o leva às arquibancadas do presbitério, onde se prostra em oração. Entre tanto, a Comunidade, de joelhos, canta o verso Veni, Sancte Spiritus. Depois, o Prior, inclinado sobre as misericórdias ao mesmo tempo em que a Comunidade, diz o versículo e adiciona uma oração.

Acabado tudo, o noviço se levanta, faz inclinação profunda, e vai a sua cadeira do coro.

Profissão de votos simples

O dia antes da Profissão, seja simples ou solene, o noviço, antes de Vésperas, ou também o mesmo dia da Profissão pela manhã no Capítulo, prostrado adiante da Comunidade, pede misericórdia; ao dizer-lhe o Prior Levanta-te, levanta-se e suplica ser admitido à Profissão como o mais humilde servidor de todos ; e escuta de pé o sermão do Prior.

O dia da Profissão expõem-se no altar algumas Relíquias de Santos.

Quando se trata da Profissão temporária, ao começar o Kyrie eleison na Missa conventual, o Maestro de noviços ou outro se ele está impedido, deixa a nova cogula sobre as formas, adiante do que vai professar. Depois do Evangelho, ou o Credo, se se diz, omitida a Oração universal, o que vai professar se dirige à arquibancada do presbitério levando a nova cogula nas mãos, e ali, feita inclinação profunda, deixa-a e fica em pé. Então se lhe acerca o Prior e diz as preces contidas no Ritual. Depois abençoa, com a mão estendida, a cogula posta sobre a arquibancada ante o que vai professar, dizendo a oração adequada. Terminada a bênção, asperge com água bendita a cogula.

Ato seguido, de joelhos ante o Prior na primeira arquibancada do presbitério, o que vai professar recita com voz inteligível (e se são variados, recitam juntamente) o salmo 15 (Protege-me, Deus meu), até o versículo O Senhor é o lote, exclusive. Então o Prior, ajudado pelo Sacristão, tira ao noviço a capa e a cogula, dizendo: Que Deus te despoje do homem velho e de suas ações, e lhe põe a cogula longa, dizendo: e te revista do homem novo que foi criado por Deus em verdadeira justiça e santidade. Se forem variados, repete as mesmas palavras para cada um.

Seguidamente, o noviço lê a fórmula da Profissão, escrita numa folha de papel que sustenta na mão. Se forem variados, têm de lê-la um por um.

Emitidos os votos, o professo entrega a folha ao Prior, e continua a leitura do salmo antes começado, desde O Senhor é meu lote até Glória ao Pai... Amém. Terminado isto, faz inclinação profunda e volta a seu lugar.

Na Missa de Profissão, o mesmo temporal que solene, o novo Professo, ainda que seja sacerdote, comunga depois do diácono de mãos do Prior, e, pelo mesmo, não concelebra; mas pode celebrar Missa rezada no mesmo dia.

Profissão solene

Sobre as cerimônias em Capítulo e a preparação do altar, veja-se o n. 8.

Na Missa, que é do Prior, terminado o Evangelho, ou o Credo se se canta, omitida a Oração universal, o que vai professar (ou os que vão professar) acerca-se ao centro da arquibancada do presbitério, e ali, depois de ter feito uma inclinação profunda, canta o verso: Acolhei-me, Senhor, com tua promessa, e viverei: que não fique frustrada minha esperança. Ao qual responde a Comunidade, de cara ao altar, o mesmo e no mesmo tom. Repetido três vezes este verso por ambas as partes, a Comunidade, inclinada sobre as misericórdias, canta o Glória Pai..., Senhor, tem piedade..., e ora em segredo.

O que vai professar se incorpora ao começar o Como era no princípio, dirige-se pelo lado direito do coro até a cadeira primeira, e, de joelhos ante o monge, que está de pé, e depois ante os demais monges deste coro, diz com voz inteligível: irmão, roga por mim; passando, depois, aos monges do coro esquerdo, faz o mesmo.

Depois do qual, a Comunidade se ergue e se volta para o altar; e o que vai professar, de pé ante o meio do altar e voltado para ele, lê, com voz clara e inteligível que todos a ouçam, sua Profissão escrita em pergaminho; uma vez lida, beija o altar e a oferece sobre o mesmo. Prostrado adiante da cátedra aos pés do celebrante, recebe a bênção; enquanto, a Comunidade se inclina sobre as misericórdias. O Prior canta a oração com a mão estendida sobre o professo, e se são variados a diz em plural. Depois o asperge com água bendita. O professo volta a seu lugar.

Na Prece eucarística se faz comemoração do novo professo solene, para que seu oblação fique mais intimamente incorporada ao sacrifício do divino Redentor.

Doação temporária

A Doação temporária se faz no Capítulo, antes de Vésperas, em presença da Comunidade. O noviço, prostrado, pede misericórdia. A uma indicação do Prior, vestido com cogula eclesiástica e estola branca e sentado ante o altar, levanta-se e diz: Suplico por amor de Deus ser admitido à Doação temporária como o mais humilde servidor de todos, se a ti Padre, e à Comunidade vos parecer bem. Depois, tendo escutado a exortação do Prior, enquanto a Comunidade permanece sentada e coberta, o noviço se adianta e se ajoelha ante a arquibancada do altar. O Prior se levanta e, ajudado pelo Procurador e o Sacristão, tira-lhe a capa e a cogula pequena, dizendo: Que Deus te despoje do homem velho e de suas ações, e lhe põe a cogula longa sem bandas, dizendo: e te revista do homem novo que foi criado por Deus em verdadeira justiça e santidade. Se forem variados, repete o mesmo a cada um.

O noviço lê então a fórmula de Doação, escrita numa folha de papel que tem na mão, e a entrega ao Prior uma vez feita a Doação.

O Prior aceita a doação com estas palavras: E eu, caríssimo irmão, aceito tua Doação no nome de Deus e da Ordem; e, em meu nome e no dos meus sucessores, comprometo-me prover, com coração de pai, a todas tuas necessidades espirituais e corporais, desde que permaneças fiel a tuas promessas. E que a bênção de Deus todo-poderoso, Pai, + Filho e Espírito Santo, desça sobre ti e contigo permaneça para sempre. R/. Amém. Depois da palavra «prometo», adiciona o tempo da Doação, se se trata da temporal ; ou «durante toda tua vida», se se trata da perpétua.

Depois, todos vão ao coro para cantar as Vésperas.

Doação perpétua

A Doação perpétua se faz em presença de toda a Comunidade, antes de Vésperas. Primeiro, reunida a Comunidade em Capítulo, o donato se prostra ante o Prior, que está sentado e revestido de cogula eclesiástica e estola branca, e pede misericórdia. Levanta-se a uma indicação do Prior, e diz: Suplico por amor de Deus ser admitido à Doação perpétua como o mais humilde servidor de todos, se a ti, Padre, e à Comunidade vos parecer bem.

Ouvida a exortação do Prior, dirigem-se todos à igreja, indo o donato por trás do Prior. O donato se ajoelha na arquibancada do presbitério, estando o Prior de pé adiante dele, e os demais monges em seus lugares de pé, voltados para o altar e talheres. Então o donato lê a fórmula de Doação, e o Prior a aceita e o abençoa.

Depois, enquanto o donato permanece ajoelhado no mesmo lugar, o Prior vai à última cadeira do coro direito e a Comunidade, de joelhos ante as formas, canta o Sub tuum præsidium. O cantor hebdomadario adiciona um versículo, e o Prior recita uma Oração.

Depois, este se deixa a cogula eclesiástica no vestuário e vai a sua cadeira; também o donato vai a sua cadeira, e começam as Vésperas.

Capítulo 38


Eleição do Prior « »

Quando alguma Casa da Ordem fica sem Prior, o Vigário deve averiguar por votação secreta dos professos solenes que têm direito a eleger, se querem fazer a eleição do novo Prior. Se então se celebra o Capítulo Geral, a Casa comunicará quanto antes sua resposta ao Definitório. Se não quer eleger, ou se verificado um segundo escrutínio há ainda empate a votos, o Vigário peça ao Capítulo Geral ou, se então não se celebra, ao Reverendo Padre, que segundo sua prudência proveja à Casa em sua necessidade.

Se a Comunidade responde que quer eleger, o Vigário deverá admoestar seriamente no Senhor aos eleitores que a eleição de pastor de almas é assunto muito árduo e de suma importância, já que o bem ou o mal de toda a grei depende quase inteiramente de que o pastor seja bom ou mau; e que, por tanto devem proceder neste assunto com toda retidão, prudência e temor de Deus. Na eleição de Prior se deve atender antes de mais nada às dotes necessárias para o governo das almas. Também se requer alguma aptidão para a administração temporária, mas por si só não pode determinar a dar o voto; ademais, o cuidado do temporário se pode encomendar a outras pessoas.

Uma vez que o Vigário propôs tudo isto, prescreve-se a todos um jejum de três dias consecutivos, a não ser que se interponha uma Solenidade ou um Domingo.

Cada dia, até que tenha Prior, a Comunidade, depois de Laudes e de Vésperas canta com especial devoção o hino Veni, Creator Spiritus, como o traz o Ritual.

Todos podem licitamente, mais ainda devem, conferir aos membros da Ordem que conhecem melhor às pessoas. Mas guardem-se os religiosos assim conferidos de pressionar em modo algum aos eleitores.

Convocar-se-á o antes possível aos Confirmadores que devem presidir a eleição. Serão dois Priores, designados pelo Capítulo Geral ou o Reverendo Padre, ou se não podem achar-se facilmente dois Priores, um com um monge (que não seja da Casa eleitora). Se nada o impede, um dos dois Confirmadores deve ser um dos Visitadores da Província.

Os assim convocados para assistir à eleição, unam-se à Comunidade eleitora no silêncio e a oração, sem intrometer-se na futura eleição de nenhum modo. Sua missão não é designar pessoas, senão somente responder com toda verdade a quem lhes perguntem, e receber simplesmente os votos dos eleitores.

O dia em que se faz a eleição, celebra-se ou concelebra a Missa do Espírito Santo, com assistência de toda a Comunidade; preside um dos Confirmadores. Depois, o Vigário convoca no Capítulo aos Confirmadores e à Comunidade. Ali, estando todos de pé e descobertos, o Confirmador principal começa as preces que traz o Ritual. Depois, ele ou seu colega faz uma exortação. Terminada esta, ficam no Capítulo unicamente os eleitores com os confirmadores; os demais de retiram.

Então o Confirmador principal adverte a todos os eleitores que elejam a quem segundo Deus e sua consciência, julguem que é verdadeiramente apto e idôneo para o cargo de Prior naquela Casa.

Depois disto, o Confirmador principal manda que cada qual vá ao lugar destinado para escrever as papeletas, nas que só se põem o nome e sobrenome do proposto para Prior. Imediatamente se mete a papeleta num envelope, leva-se à mesa dos Confirmadores e se joga na urna ali preparada ao efeito.

Se algum dos que têm voto não pode assistir pessoalmente à eleição poderá escrever uma papeleta e metê-la num envelope, igual que os demais. E os mesmos Confirmadores irão a sua cela, se é necessário, para recolher o voto.

Feita a votação, o Confirmador principal conta as papeletas e as abre. É preciso que o futuro Prior obtenha mais da metade dos votos emitidos de fato, isto é, sem contar os votos nulos e as abstenções. Se nenhum os atinge, os Confirmadores darão os nomes dos que obtiveram votos e dirão quantos recaíram sobre cada um. Então se queimarão ali as papeletas e se voltarão a escrever outras novas.

Se depois da terceira votação ninguém fica eleito, pode-se fazer uma quarta e última votação o mesmo dia; antes da qual poderão sair os monges fora do Capítulo e trocar opiniões entre si, mas sem falar com outros. Se finalmente não sai nenhum eleito, terá que escrever todo o assunto ao Reverendo Padre, quem, depois de ouvir aos Visitadores da Província proverá à Casa privada de pastor.

Mas, se resulta eleito algum, o Confirmador principal dirá em alta voz: Temos Prior, e dirá seu nome, sua Casa de Profissão e a obediência que tem se então tivesse alguma, indicando também o número de votos que obteve. Por último, queimam-se todas as papeletas.

Depois de publicar-se adiante de todos o nome do Prior, o Vigário, a não ser que tenha recaído sobre ele a eleição, roga aos Confirmadores que acedam a confirmar como Prior ao eleito. Os Confirmadores assinalarão um prazo, a saber, um ou dois dias, para objetar contra a forma da eleição e a pessoa do eleito.

Se os Confirmadores não encontram nenhum impedimento, congregados em Capítulo todos e só os eleitores, enquanto os demais se reúnem na igreja, confirmarão ao eleito dizendo o Confirmador principal: Nós, N. e N., humildes Priores das Casas N. e N., designados pelo Capítulo Geral (ou pelo Reverendo Padre) para presidir vossa eleição, com a autoridade de nossos Estatutos vos confirmamos como Prior desta Casa a Dom N., professo de tal Casa, no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. E a Comunidade responderá: Amém. Quando um dos Confirmadores está impedido ou é o eleito Prior, o outro fará por si só a confirmação. Depois, o segundo Confirmador lerá o processo verbal da eleição, que assinarão primeiro os Confirmadores e, depois deles, todos os eleitores.

O dia em que o Prior toma posse de seu cargo, à hora convinda, os Confirmadores (ou, em sua ausência, o Vigário e o Antiquior), tomando da cogula uno de cada lado ao novo Prior, conduzem-no à cadeira prioral na igreja, seguidos por toda a Comunidade. Feita ali uma breve oração ante as formas, de joelhos e descobertos, vão todos ao Capítulo, onde, depois de algumas palavras do Confirmador principal (ou do Vigário) ao novo Prior, este faz a profissão de fé segundo a norma canônica. A seguir se lhe acerca o Vigário e, de joelhos põe suas mãos juntas entre as do Prior. Ao perguntar-lhe este: «Prometes obediência?», responde: «Prometo», e, recebido o ósculo de paz levanta-se e se volta a seu lugar. O mesmo fazem depois do Vigário, o Antiquior e os demais por ordem.

Todo esse dia se celebra com gozo, come-se no refeitório e não se guarda jejum, a não ser que seja tal do que nem por uma Solenidade se quebrantaria. O Ofício que precede ao refeitório se canta na igreja.

© 1998-2020 Ordem dos Cartuxos • Informações legaisContato